Auto-Iniciação a Corrente do Necronomicon

Este texto é parte do workshop sobre o Necronomicon Gnosis que eu fiz na primavera e no verão de 2008, eu escrevi em resposta às muitas perguntas sobre o trabalho prático com a magicka de Lovecraft que recebi depois de editar o meu livro “Necronomicon Gnosis – Uma Introdução Prática”. A questão que me foi perguntada com mais frequência era “como começar?”, “Como me adaptar com as praticas das Correntes do Necronomicon?” A resposta simples seria: “através da prática intensiva e sistemática dedicado aos deuses essa seria principal formas de adquirir o conhecimento Lovecraftiano” – meditações sobre os símbolos e nomes do caminho, invocações, etc. Neste sentido, funciona como todos os outros sistemas mágickos – quanto mais tempo que dedicamos ao nosso trabalho com o Necronomicon Gnosis, mais sensível ficamos e abrir nossos portais para transmissões estelares. E enquanto isso pode parecer óbvio para um praticante mais avançado, os novatos muitas vezes ficam desanimados por um panteão complexo e estranho das ciências de Lovecraft e o pensamento de que tudo isso é apenas uma ficção. Então, antes de começarmos nossas aventuras no reino da magia de Lovecraft, devemos tomar consciência de uma coisa básica – todas as versões do Necronomicon e outros textos relacionados à prosa dos mitos de Cthulhu, muito embora eles não possam ser tratados como fontes históricas, eles ainda podem servir de inspiração para o nosso próprio trabalho com esta magia.

Muitas vezes descrentes mencionar o argumento comum de que o próprio autor admitiu que todas as histórias eram apenas uma ficção literária e o nome de Abdul Al Hazred inventado por ele em sua infância inspirado pela leitura de “As Mil e Uma Noites”. Mas, em resposta, podemos dizer que todos os deuses mitológicos foram criados pela humanidade em tempos muito antigos, e se olharmos para isso a partir deste ponto de vista, os Grandes Antigos não parecem menos válido do que os antigos deuses das mitologias do mundo. Há um grande intervalo de tempo entre a sua presença na cultura e magia, quando comparado com a sabedoria antiga, é claro. Mas ainda são apenas invenções da mente humana, nascida como uma resposta às necessidades contemporâneas de adoração e de identificação. Atualmente, as pessoas não precisam, por exemplo, de divindades agrícolas de nossos antepassados (não como naquela época), e a invenção de um mais “moderno” é criado. E os Grandes Antigos, parece mais adequados às necessidades atuais. Daí suas naturezas alienígenas e, eventos híbridos intangíveis, força destrutiva e um enorme potencial evolutivo – parece ser uma resposta ao rápido desenvolvimento da ciência, a física quântica, as experiências com o código de DNA, etc As entidades de Lovecraft representa de uma forma este progresso científico, que é ao mesmo tempo fascinante e assustador, como a maioria desses fenômenos ainda permanecem inexplorados, e é bastante comum ter medo do inesperado e do desconhecido. Talvez esta seja a principal razão pela qual este conhecimento vem ganhando enorme popularidade na literatura, na arte e esoterismo contemporâneo.
As entidades de Lovecraft são “estrangeiros” forças cósmicas da evolução humana e pode ser identificada as mitologias ou não, uma vez que representam o progresso evolutivo inerente à mente humana. Podemos representar algumas comparações, entre Dagon e os antigos deuses da água tais como Oannes. Shub-Niggurath é uma visão geral dos conceitos de um princípio masculino associado com deusas escuras, como Kali ou Lilith, mas ao mesmo tempo Shub-Niggurath pode ser identificado com os deuses selvagens da natureza, como é Pan. Nyarlathotep, como um personagem que anda no meio do povo na terra, tem algumas centenas de avatares e representa o conceito do malandro, o adversário, o diabo Sabbath das bruxas, Sombra pessoal, e muitos outros, que nós permite a comparação com um amplo espectro de deuses mitológicos. A cobra deus Yig poderia corresponder a outras divindades mitológicas como a serpente Quetzalcoatl para os astecas. É difícil fazer uma associação entre mitologias terrestres cósmicas e divindades tipicamente Cthulhu, Azathoth ou Yog-Sothoth, que se manifesta como híbrido, completamente alheio à percepção humana, para que eles não nos fazem lembrar dos deuses mitológicos típicos. Em inúmeras livrarias on-line encontrar muitos “Necronomicon” e textos afins, tais como o “Al Azif”, “De Vermis Misteriis”, “O Livro de Dagon”, “Os textos de R’lyeh”, e muitos outros. Não é o assunto deste ensaio discutir se estes textos são grimoires genuíno ou engano, inventadas para preencher as necessidades do mercado, mitologia moderna. Real ou não, tem havido muitos mágickos que encontraram utilidades nas praticas, e quem trabalha com estes textos, admite que há “algo” de mágicko em si. Mas esta não é a substância dos textos em si: a chave para uma prática bem sucedida está na mente do praticante, esse é o motivo pelo qual rituais e cerimônias são feitos,o praticante se concentrar neles. O poder mágicko de verdade não está contido nas páginas de um livro, mas dentro da mente humana, e uma mente de um indivíduo criativo pode transformar ficção em uma experiência genuína. Isto é como a magia de Lovecraft funciona.O “Necronomicon” e as histórias do mitos de Cthulhu pode servir de inspiração para explorar os labirintos das mentes individuais, e tornar-se uma ferramenta para explorar as profundezas da consciência do magicko. E uma vez que a natureza é mais adequado para os tempos modernos, muitas vezes substituir as antigas formas divinas no ocultismo contemporâneo.
Este ensaio vai apresentar alguns métodos de como começar a trabalhar com a Corrente do Necronomicon e como usar esse grimoires de Lovecraft. A primeira vista, parece muito complicado ou inútil para um profissional moderno. Mais Necronomicon Gnosis pode ser visto como um conjunto de ferramentas e técnicas que permitem uma melhor compreensão dos conceitos cósmicos e evolutivos representados pelos Grandes Antigos e outras entidades de Lovecraft. Como não há nenhuma versão “verdadeira” do Necronomicon, não há uma abordagem única para este tipo de magia e um seguidor inteligente é livre para inventar seus próprios métodos de trabalho, sendo limitado apenas pela sua própria criatividade e imaginação. Devemos lembrar que como um sistema mágicko, o Necronomicon é suficientemente “genuíno” para aqueles que são capazes de capturar suas correntes intangíveis e entra em contato com forças que transcendem além da racionalidade e da percepção humana.

 

Auto-Iniciação ao Necronomicon Gnosis

 

Auto-iniciação na Corrente do Necronomicon geralmente ocorre em dois níveis, que no processo de iniciação estão entrelaçados em uma fusão avançada dentro de um poderoso caminho mágicko. Um mágicko geralmente começa a trabalhar erguido o Templo os Grandes Antigos em sua mente e construindo no plano material. Aqui podemos fazer uso dos inúmeros textos e grimoires relacionados com o Necronomicon. Os grimoires de Lovecraft e os conhecimentos do Cthulhu Mythos, embora a maioria deles afirme ser “de origem árabe”, paradoxalmente, têm uma forte semelhança com as tradições esotéricas ocidentais. Um mágico não tem de seguir as instruções exatas de como preparar o templo, ferramentas ou rituais, no entanto, como essas descrições muitas vezes parecem ridiculamente complicadas, mas podemos ajustar as nossas necessidades e materiais disponíveis.

Construindo o seu templo

Este aspecto da magia de Lovecraft é puramente cerimonial. Dependendo do grimoire, nós dirá para preparamos um tipo especial de templo para trabalhar com as entidades do Necronomicon. Em Al Azif, por exemplo, o tempo é um edificado do lado de fora, fazemos um círculo de pedras na área aberta, onde cada pedra representa a direção particular ou cardeal, ou um planeta e é um símbolo apropriado gravado nele. No meio do círculo tem um altar com o selo de Yog-Sothoth (a divindade que representa o conceito de “portal” para a realidade alternativa) e os nomes das divindades mais poderosas: Azathoth, Cthulhu, Hastur, Shub-Niggurath e Nyarlathotep. Ao redor do altar são quatro pedras que fazem referência aos quatro pontos cardeais, e em torno destas – sete pedras que representam os planetas, o sol e a lua. Todo o espaço fechado dentro das rochas é um portal através da qual as forças convocada podem se manifestar. É necessário pelo menos, um grande jardim com um templo bastante complicado, o que poderia ser um pouco difícil nos dias de hoje. Descrições mais ou menos semelhantes são encontradas em outros grimoires Lovecraftianos.

Geralmente, para praticar a magia do Necronomicon é o suficiente ir para a natureza e encontrar um lugar escuro e solitário onde você não será interrompido. Deve ser um lugar que mexe com a sua imaginação, onde você pode sentir as sombras que se movem em torno de você, a natureza e os ventos sussurrando mensagens, pressionando a terra na frequência do batimento cardíaco. Pode ser um antigo círculo de pedras, uma floresta escura, um bosque e, normalmente, algum tipo de lugar que daria a impressão de que a fronteira entre os mundos é fino e fácil de entrar em contato com as forças do inconsciente. Especificamente para a magia de Lovecraft, isso não deve ser um lugar de natureza – poderia muito bem ser uma antiga área urbana: edifícios industriais abandonados, e assim por diante. Lá você pode ver um portal através do qual os Grandes Antigos se manifestam para você.

Se no entanto, preferirem criar o seu templo, você pode decorá-lo com imagens relacionadas ao folclore de Lovecraft. Não há descrições das “Antigas” entidades do o Necronomicon, mas a arte moderna está rapidamente enchendo este vácuo mitológico e você pode encontrar muitos cartazes, estátuas e outras representações visuais dos Grandes Antigos. O cenário deve afetar a sua imaginação, então sinta-se livre para colocar em seu espaço ritualístico os itens que você acha que são melhores para você. Os sigilos e diagramas também são adequados.

Prepare suas ferramentas rituais

Você também pode ir um passo à frente e preparar suas ferramentas ritualísticas para ser usado somente em trabalhar com a magia de Lovecraft. Aqui nós temos uma grande variedade de escolhas, dependendo de que grimoire Lovecraftiano você escolher como referência. Entre as ferramentas que você pode realmente fazer mais ou menos de acordo com as instruções, pode-se citar a espada Barzai (uma espada ritualística), o incenso de Zkauba (usada para algumas cerimônias), o navio de Balon (um tipo de embarcação para clarividência), o anel de Hypnos (usado para os trabalhos oníricos), e muitos outros. Mesmo se você escolha falsos Necronomicons populares, se você acreditar no seu poder e você se esforçar o suficiente para eles, provavelmente funciona.

Embeleze suas cerimônias com sinais de poder

Um dos grimoirios Lovecraftianos menciona sinais especiais de poder que pode ser usado em cerimônias. Estes são o sinal de Voor simbolizando o poder dos Antigos, o sinal de Kish, que abre as portas e destrói as barreiras, o sinal de Koth que guarda o Portal, e o sinal dos Deuses Antigos que impede o poder dos Grandes Antigos e é usado em exorcismos.

Nyarlathotep e o trabalho do Templo

Agora que o espaço e ferramentas ritualísticas estão preparados, é hora de escolher as entidades mais adequadas para começar o nosso trabalho. Aqui são sugeridas duas formas divinas. Uma é Nyarlathotep, o outro é Cthulhu. Por que esses dois?  Nyarlathotep é um das divindades líderes dos Mitos de Cthulhu para o seu papel de intermediários entre os seres humanos e os Grandes Antigos. Ele é o que conduz o homem através das estrelas ao caminho para a divindade. E muitas vezes aparece de uma forma que pode ser entendido e compreendido pelo homem – em geral de uma forma humana. Isso é importante, porque é mais fácil de visualizar um deus antropomórfico do que um híbrido com milhares de tentáculos e bolhas. Por exemplo, na história dos sonhos de Lovecraft no Witch House podemos vê-lo como um ser negro de corpo esguio, com uma pele horrivelmente pálido, vestindo um robe preto longo e um chapéu. É muito importante notar que na história ele atua como um intermediário entre o adepto que faz um pacto com os Grandes Antigos e seu representante, o deus Azathoth. O protagonista, Walter Gilman, é atraído para o outro lado, a uma sala escura onde você assinar o seu nome no sangue em um livro preto e faz um pacto com as forças escuras – um tema típico da tradição esotérica ocidental.Nyarlathotep realizada aqui o papel similar de intermediário diabolico como Mefistófeles na lenda de Fausto. Nyarlathotep é assim o intermediário entre as forças externas e a humanidade. Ele é o iniciador do Caminho da Mão Esquerda que impiedosamente destrói todas as fraquezas de nossas mentes. Nyarlathotep é, portanto, o princípio (o iniciador da comunicação com os deuses exteriores) e o final – o destruidor e o princípio da desintegração. Dizem que ele tem 999 avatares, que aparecem em todas as culturas e religiões ao longo da mitologia em todo o mundo, desde o início dos tempos até agora.

Assim, parece lógico escolhê-lo como a primeira entidade a se trabalhar quando começamos as nossas aventuras nos labirintos da magia de Lovecraft. Além disso, Nyarlathotep, como algumas entidades Necronomicon, é o personagem que pode ser encontrada no trabalho do lado externo, na natureza e em nosso espaço ritualístico interno. Podemos trabalhar com ele através de uma variedade de técnicas: meditações simples, invocações e evocações, vidência, sonho e trabalho astral e até mesmo através de tais tipos de magia e necromancia ou magia sexual. De todos os Grandes Antigos é a que é mais fácil de entrar em contato, e em seguida, através dele pode encontrar o acesso a outros Antigos mais cósmicas e alienígenas.

 

Nível onírico.

A outra maneira de sintonizar-se com a corrente do Necronomicon que não seja através do trabalho cerimonial, mas através de um despertar mais sutil do inconsciente, isto é, através dos trabalhos oníricos.

Cthulhu

Aqui, é claro, temos Cthulhu, o Senhor dos Sonhos. Como os sonhos são a chave para o inconsciente, esse tipo de magia é uma das técnicas mais importantes na exploração dos mundos do Necronomicon e o encontro com suas entidades. Cthulhu encontra-se em uma tumba (“não está morto, mas dorme”) subterrânea em R’lyeh – cidade representante das profundezas do inconsciente. Enquanto dorme, ele tem a capacidade de entrar em contato com os seres humanos através de sonhos – enviando sonhos e visões sobre o de tempos antigos e deuses que governaram o mundo no início dos tempos. Na prosa de Lovecraft em tais transmissões ele assumir a forma de pesadelos, mas pode ser uma ferramenta útil no trabalho com as Correntes do Necronomicon se alguém estiver dispostos a abrir a sua mente “Call of Cthulhu”.

Semelhante ao Nyarlathotep, Cthulhu é descrito como o “sumo sacerdote” dos Grandes Antigos, o único que pode se comunicar com os seres humanos e agir em nome dos outros deuses cósmicos. Enquanto Nyarlathotep actua principalmente através do plano material e pode ser encontrado no mundo desperto, Cthulhu trabalha através de sonhos no reino sonhador. É raro ouvir sua voz de forma espontânea, mas podemos ajudar o nosso subconsciente a se abrir para essas transmissões.

Magia Onírica.

As técnicas de trabalhos oníricas com a magia de Lovecraft realmente não muito diferente de outros métodos de trabalho do sonho, mas vale a pena lembrar alguns conselhos. Por exemplo, antes de ir para a cama, ler uma história dos mitos de Cthulhu, aleatório, dedicado a Cthulhu ou de outra entidade escolhida. Ou podemos assistir a um filme com um tema de Lovecraft, como “The Call of Cthulhu” “From Beyond”, “Dagon”, etc. Depois, nós adormecemos visualizando as cenas da história ou se concentrar mentalmente sobre os nomes ou imagens. Também é recomendável salvar algumas descrições, e depois que dormimos, nós a usamos como um portal para entrar em um sonho consciente. Isso requer uma boa capacidade de visualização e concentração. Se feito corretamente, o cenário deve continuar em seus sonhos.
O mesmo procedimento pode ser aplicado a uma meditação sobre um sigilo ou ilustração que representa Cthulhu – uma meditação centrada antes de dormir, em seguida, tentar adormecer durante a visualização da imagem. Quando você faz este tipo de meditação, também tenta estabelecer uma ligação à entidade por meio das imagens – se olhar para dentro deles e enviar uma mensagem mental para convidar Cthulhu a sua mente. Você também pode criar sua própria discrição ou desenhar suas próprias imagens. Ou ao contrário de uma representação visual, você pode meditar em um mantra. Eu recomendo o mantra clássico: “fhtagn wgah’nagl Cthulhu R’lyeh fhtagn do mglw’nafh” ou simplesmente “fhtagn Cthulhu R’lyeh”. Ou antes, de você cair no sono, se encher à sala com o cheiro de incenso que você só vai usar no trabalho com o Necronomicon. A alternativa é uma música mais Lovecraftiana.

A voz de Cthulhu

Quando seus sonhos estiverem cheios de visões e ambientes da prosa de Lovecraft significa que você está no caminho certo com o seu trabalho e sua consciência foi despertada para este tipo de gnose. Você pode receber o “chamado” de Cthulhu em seus sonhos como uma voz misteriosa ou a mensagem de uma maneira monótona, enigmática e aparentemente sem sentido. Em seguida, siga as visões de templos lamacentos e monólitos localizados em uma enorme cidade esquecida. Verifique também nomes, imagens, símbolos, mantras e palavras de poder que podem então ser usados ​​na comunicação consciente com essas forças. A entrada consciente dentro do sono permite um contato claro com os Grandes Antigos e outras entidades semelhantes que existem na fronteira entre os mundos de sono e vigília.

Um exemplo de um trabalho de sonho com Cthulhu combinação de várias técnicas podem ser encontrados no meu livro, Necronomicon Gnosis: uma introdução prática. Lá você também vai encontrar mais algumas informações sobre como trabalhar com os sonhos mágickos de Lovecraft.

Asenath Mason. Lodge Magan.

Traduzido por.’. Henri Calado.’.

 

 

Ocultismo

Liberte-me, ouço os uivos dos daemons,

Rugindo de conhecimento.

Hoje sou eu quem governo minha vida.

Não me prendo em dogmas,

Não tenho deuses a me ajoelhar.

Não deixo castra o meu poder,

Sou larva, magma, supernova

fogo que se renova.

 

ação e reação!

uns se acende uns se apaga .

ou tu machuca ou é machucado.

ou você bate ou você apanha .

ou você controla ou é controlado .

Papus já dizia: o homem é um animal, emocional racional,

Mas um ocultista só pode ser racional.

Tenha o seu momento animal e sentimental, mas viva o racional.

 

Eu aprendo com o melhor

E você?

Ocultismo, ocultismo, ocultismo está em moda.

Neguinho fica filosofando,

Esquece as práticas da ciência negra.

Se vê um daemon sai correndo para saia da mamãe,

A cada tapa na cara eu me torno mais forte.

E você, será que dura um dia com sabnock?

Com dor e medo um já se quebrou

As minhas metas estão traçadas

Nem morto eu desisto delas.

Ritual de Banimento Draconiano

É comum vermos os novos adepto do caminho da mão esquerda recusando-se a fazer rituais de banimento com a desculpa de que “não se deve banir as energias que você mesmo chamou”. Este é um erro grotesco, digno de principiantes.

O fato é que as energias do local, ou mesmo entidades que possam estar presente, pode atrapalhar o ritual, então o ritual de banimento serve justamente para isso, banir as energias e entidades que não estão no mesmo padrão do ritual.

O praticante do caminho da mão esquerda é obrigado a lidar então com outro problema. A esmagadora maioria dos banimentos  envolve a utilização de egrégoras demiurgicas ou energias que podem gerar um choque durante o trabalho com as energias densas invocadas/evocadas dentro dos sistemas Sinistro.

Fez-se necessário então a adaptação de um ritual de limpeza que se encaixasse dentro deste sistema, para que fosse condizente e coerente com a situação. Mas sem perder a sua funcionalidade.

 

Ritual de Banimento Draconiano

 

  1. Comece o ritual voltado para o Leste, inspire profundamente e visualize uma bola de luz energética no seu peito expandindo-se conforme você expira faça isso 3 vezes. Quando você terminar a bola energética deve estar com a metade dela enterrado no chão formando meia esfera que deve ocupar todo o local que você quer banir
  2. Diga “Barra! Edin Na Zu, Utuk  Xul” significa Fora daqui! Vão para o deserto, espíritos maus! Na língua suméria.
  3. Ainda de frente para o Leste faça o pentagrama do ar com o nome Lúcifer no meio dele e diga – Lúcifer, sou filho do Dragão meu poder está além do céu estrelado.
  4. Siga para o Sul, faça o pentagrama do fogo com o nome Satan no centro dele e diga – Satan, sou filho do dragão meu poder está além do abismo de fogo.
  5. Seguindo para o Oeste agora trace o pentagrama da água com o nome Leviathan no meio e diga – Leviathan, Sou filho do Dragão meu poder está além das águas primordiais.
  6. Agora ao Norte trace o pentagrama da terra com o nome Qayin e diga – Qayin, sou filho do dragão meu poder está além da terra de Nod.
  7. Volte para o meio círculo de frente para o Leste e faça o sinal de controle dos elementos da natureza.  
  8. Agora vibre mais uma vez “Barra! Edin Na Zu, Utuk  Xul”
  9. Visualize agora uma grande serpente de fogo ao redor do círculo. Veja do leste uma figura humanoide de luz brilhante, ao Sul veja uma figura humanoide de negra cercada de fogo, ao Oeste veja uma figura de um grande dragão, ao Norte veja uma figura humanoide de negra.

Agora diga – A minha frente Lúcifer, ao meu lado direito Satan, ao meu lado esquerdo Qayin e Atrás de mim  Leviathan. Pois ao meu redor está a serpente de fogo Samael.

 

 

Herdeiro do Caos

Sou o Santo padre negro.
Em uma mão levo o rosário de Lúcifer,
na outra a bíblia de Satan.
Pela estrada da dor vou cantando aos demônios,
enquanto sacrifico os anjos de deus.

Sou a prole do Abismo,
aquele que nasceu do ódio.
Sou a criança da noite,
a cria dos deuses esquecidos.
Sou o sonho de vingança,
aquele que virou verdade.
Sou o deus que vai devorar o mundo.

Sou o lobo em pele de cordeiro,
o pior dos predadores.
O vampiro que bebera dos deuses cósmicos,
deixara seus servos definhar até a morte.

Sou o Dragão de onze cabeças,
vou violentar a mulher e devorar seu filho.
Sou a vingança do Caos primordial,
que vai arrancar a medula de deus.

NAOS – Um Guia Prático para Magicka Moderna

imagem

Sinopse do autor:  NAOS: Um Guia Prático para a Mágicka Moderna é um dos livros básicos da Ordem dos Nove Ângulos (ONA).

Este livro descreve o sistema do Caminho Sinistro/Caminho Setenário, da Iniciação até as tarefas dos graus Internos da Ordem Esotérica.

Diferente do Manuscrito circulado na internet nos dias atuais, esta versão pode ser considerada “NAOS Beta”, pois foi diretamente traduzida do MSS Original, o NAOS Alpha, datilografado por Thorold West.

Este livro é um dos pilares da Alquimia Negra e do Satanismo, e chega agora as mãos dos Adeptos brasileiros do Caminho Sinistro.

Sinopse da SS: O  NAOS é um guia fundamental para os praticantes das Vias Sinistras e um livro santo para os membros da O9A.

O NAOS circulo muito tempo gratuitamente pela internet, mas o livro contem erros de gramatica e uma péssima explicação sobre os sistemas magickos das Vias sinistras, em alguns capítulos se torna quase impossível o intendimento das formulas e filosofia Sinistra.

Esses dias obscuros ficaram para traz com a chegada da tradução feita pelo Malachi Azi Dahaka. Realmente o tradutor se esforço para trazer a luz do NAOS de volta ao Brasil, o Livro traz agora as belas ilustrações de um membro do Temple of Black Sun a, gramática muito melhorada (embora não perfeita), você agora consegui entender os capítulos, tabelas corrigidas, formulas magickas mais detalhadas e melhores explicadas, e o melhor de tudo os capítulos de magicka aeonica e da roda do ano que era simplesmente inlegíveis agora da para ser lida e ate entendida rsrs.

O único problema é os espaçamentos fora de enquadro e logico que lamento mais uma vez tão grande obra ir para na maldita editora que não tem nem um amor pelos livros. Mas eu recomento que vc interessado no assunto corra para compra o seu NAOS, afinal é uma obra indispensável para qualquer ocultista.

imagem

 

Link: http://www.clubedeautores.com.br/book/159604–NAOS#.U18nVvldWTs

Ranking Sabedoria Subversivo – 09 Baphomet

 

imagem

Nota do Temple of Ascending Flame: primeiro Projeto Aberto de 2014: “As Três Faces de Hécate”

 

Para aqueles que têm interesse em Magia Draconiana, segue tradução do anúncio do primeiro Projeto Aberto de 2014 do Temple of Ascending Flame:

“O Temple of Ascending Flame (Templo da Chama Ascendente) tem o prazer de apresentar o seu primeiro Projeto Aberto de 2014: “As Três Faces de Hécate”. Ele é centrado nos antigos mitos e simbolismos da Deusa em relação ao seu papel na magia Draconiana auto-iniciática. O projeto consiste em seis trabalhos que devem ser realizados individualmente em seis dias seguidos. Estes trabalhos incluem meditações com sigilo, jornadas visuais e invocações. Eles exploram as três “faces” ou aspectos da Deusa, tipificados por seus animais simbólicos, representando os poderes de transformação, abertura de portais para o Lado Escuro (Nightside) e permissão para jornadas transcendentais através das Encruzilhadas Místicas. O propósito do projeto é introduzir o praticante aos mistérios de Hécate como a Senhora da Transformação e a Deusa das Encruzilhadas, através de sua corrente Draconiana/Ofidiana.

O projeto inicia no dia 29 de Março e Termina no dia 3 de Abril. Não há restrições para a participação – o projeto é aberto para todos. Se você estiver interessado em participar, fique à vontade para entrar em contato conosco no endereço info@ascendingflame.com para receber os materiais do projeto. Desta vez eles estão disponíveis em quatro idiomas: Inglês, Espanhol, Português Brasileiro e Italiano.”

Observação: O e-mail para solicitação dos materiais, independente do idioma escolhido, deve ser redigido em inglês, que é o idioma para comunicação com o Templo. Ao final do projeto, caso o praticante queira enviar o relatório com os seus resultados individuais e posteriormente receber o sumário geral dos resultados, também deve enviar o relatório traduzido para o idioma Inglês.